Siga nas Redes Sociais

Especial

Artista transforma ônibus de bandas de forró em miniaturas e vira sucesso

Publicado

em

Já imaginou ter o ônibus da sua banda preferida na palma da mão? Isso é possível graças ao trabalho do artesão mineiro Wallace Alencar. Ele transforma 6 horas de trabalho em verdadeiras obras de arte.

Entre as várias réplicas de ônibus das bandas de forró já feitas por ele estão Aviões, Solteirões, Mastruz com Leite, Magníficos, Conde do Forró, e de cantores como Wesley Safadão, Solange Almeida, Taty Girl, Samira Show e Batista Lima.

O Forró Dicumforça localizou Wallace nas redes sociais e, segundo ele, tudo começou em 2007 na cidade de Oliveira, Minas Gerais. Hoje ele contabiliza uma legião de clientes por todo o Brasil. “Fortaleza , Recife e Natal são as cidades que mais pedem”, afirma.

As miniaturas são desenvolvidas respeitando a originalidade do veículo real. O artista utiliza madeira balsa, plástico polionda, papelão, papel cartão, papel filicoat, acetato e colas em Geral. Os tamanhos variam de 26x9x6,5cm (na caixa de acetato) e 22×5,5×4,5 cm, miniatura média.

Wallace ressalta que as miniaturas não são brinquedos e sim peças para colecionadores. “É um produto para exposição”, conta.

Se você ficou interessado em levar pra casa um ônibus feito por ele, basta entrar em contato pelo email wasilveira27@yahoo.com.br ou através dos telefones 037-99963-5570 e 037-99941-3535.

Veja fotos:

buzu4 buzu5 buzu6 buzu7 buzumastruz

buzu3

Comentários

Continue Reading
Comente

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Especial

Dão Lopes fala em cartel no forró e diz que bandas precisam produzir “coisas novas”

Publicado

em

Por

Foto: Facebook/Moleca 100 Vergonha

Ele é uma referência no mundo do forró quando se fala em talento e carisma. Sendo assim, nada melhor que Dão Lopes, vocalista da Moleca 100 Vergonha, para falar com propriedade sobre esse ritmo genuinamente nordestino, que não anda lá bem das pernas. Para o cantor, que falou com exclusividade ao Forró Dicumforça, o forró até que tem crescido, mas precisa repensar algumas práticas.

“O forró está evoluindo, mas tem um determinado cartel”, afirma Dão Lopes. Para ele, é preciso mais união para enfrentar os desafios.

“União dos empresários e produtores de eventos pelo menos artisticamente, porque se não o movimento vai continuar nas mãos de dois, três, e vai futuramente se deteriorar”, declarou.

Sobre o forró romântico, Dão é enfático ao afirmar que ele não sai de moda, mas faz uma ressalva às bandas que vivem dele.

“O romântico não sai de moda. A gente canta e escreve o cotidiano do ser humano. O pagode romântico já voltou pro mercado atual e isso é combustível pra o forró romântico, mas as bandas do seguimento têm que produzir coisas novas pra não serem rotuladas como forró das antigas”, alerta.

De volta à Moleca 100 Vergonha, Dão Lopes disse que aceitou fazer o caminho de casa por amar a banda de Araripina. “Voltei por amar a banda”, disse.

E se depender da banda, 2019 será especial. É o ano em que a Moleca 100 Vergonha completa 20 anos.

“A Moleca está preparando um DVD super moderno com algumas músicas inéditas. Tem muita novidade em 2019. A Moleca 100 Vergonha completa 20 anos dia 11 de setembro, então é um ano de muitas produções e colheita, eu creio”, finalizou.

Comentários

Continue Reading

Especial

Veja seis talentos que estão desperdiçados no forró

Publicado

em

Por

O forró tem umas coisas que muitos fãs não entendem. Uma delas é o fato de artistas talentosos estarem fora dos grandes palcos. A lista de cantores “parados” que poderiam estar brilhando em bandas de ponta é enorme. O Forró Dicumforça selecionou seis desses nomes.

1 – Aline Ataíde

Os fãs até hoje não engoliram a saída dela da Limão com Mel. A identificação dela com a banda foi muito grande. Após deixar o grupo pernambucano, chegou a ser anunciada pela Noda de Caju, mas a contratação não foi pra frente. Por último, integrou a Baby Som, mas a permanência não durou muito. Hoje faz barzinhos.

2 – Michele Menezes

Brilhou na primeira vez que passou pela Calcinha Preta, assim como na segunda vez. Deixou a banda e os fãs sentem falta até hoje da cantora em uma banda.

3 – Neto Falaschi

Estava bem na banda Magníficos até os fãs serem pegos de surpresa com a sua saída. Está parado até hoje deixando muito fã carente.

4 – Carol B’Soul

Dona de uma voz singular, passou por várias bandas, dentre elas a Noda de Caju. Não está em nenhuma banda, mas não para de compor e lançar músicas nas redes sociais.

5 – Lívia Mara

Está em carreira solo, mas poderia estar brilhando em uma banda, assim como fez no período que esteve no Mastruz com Leite. É carismática e canta muito.

6 – Júnior Ivo

Foi da Limão com Mel e Noda de Caju, além de outras bandas. O público sente falta de sua voz em um grande grupo. Apesar disso, ele segue com a carreira.

E para você, que talentos estão desperdiçados no forró?. Comenta aí

Comentários

Continue Reading

Especial

Cantor supera a depressão e faz relato: “nenhum problema é maior que eu”

Publicado

em

Por

Diego descobriu a doença há um ano e venceu a batalha. Foto: Gustavo Costa

Ele é alegre, brincalhão, e dono de um senso de humor raríssimo no mundo artístico, principalmente no forró. Estamos falando de Diego Francis, vocalista da Banda Forrozão das Antigas. O que ninguém imaginava é que ele, tido como uma cara de bem com a vida e super querido, sofria de um mal cada vez mais comum entre as pessoas: a depressão. Com a situação sob controle, ele usou as redes sociais para fazer um desabado e alertar sobre a doença.

“Há pouco mais de um ano atrás eu fui diagnosticado com depressão. Após perceber que estava interferindo no meu trabalho, no relacionamento social pessoal e familiar. Eu estava chato, vendo o mundo cinza sem cor. Qualquer problema pequeno estava superestimado nas minhas mãos. Isso tava me destruindo”, disse.

O cantor segurou a barra por um ano com a família e amigos, até publicar nas redes sociais o drama que passou. “Eu não queria falar que estava com o problema enquanto ainda estava tratando ele. Não queria porque eu não queria que associassem minhas atitudes ruins com o meu problema. Nem que me olhassem com julgamento de vitimismo ou algo do tipo”, afirma.

Hoje, Diego comemora os avanços e a vida que recuperou. “Percebi que nenhum problema é maior que eu. Jamais vou ser o melhor pra todo mundo. Mas hoje eu tenho o que há de melhor pra me sentir bem”, conta.

Confira o relato na íntegra:

Comentários

Continue Reading
Publicidade

Facebook

Mais Lidas